11 de abril de 2016

Coisas que ninguém te falou sobre a maternidade


Não é a primeira vez que compartilho sobre assuntos que muitas mulheres vivem na maternidade mas não contam quando estão grávidas e nem te falam antes de você se tornar mãe... Algumas coisas a gente até sabe pelo fato de ouvir dizer que é assim e assado, mas na hora da realidade, quando estamos envolvidas por tantas mudanças hormonais e naquela adaptação, acabamos não respirando e refletindo... parece que a ficha demora a cair... então deixo aqui para vocês este texto ( link de onde encontrei no final do post) informativo e tocante... não quer dizer que com você vá ser assim e ponto, afinal, cada bebê é único e as realidades são bem diferentes, mas basicamente esses são os pontos mais comuns do início da maternidade... reflita e prepare-se para receber seu pacotinho de amor... caso já tenha tido filhos, vale a pena ler e fazer um feedback rsrs


“- informe-se sobre o parto, mas antes de fazer sua escolha, tenha em mente que seu corpo é maravilhoso, divino e forte. Se quer mesmo uma cesárea, escolha somente por você. Não deixe ninguém dizer que não será capaz de um parto normal, porque a dor é absurda, porque seu bebê é muito grande, porque o cordão umbilical tá enrolado no pescoço. Caso escolha um parto normal, não tenha medo de sentir dor, a dor é necessária, é só se entregar a ela que tudo corre naturalmente;
– Enxoval, quartinho decorado e o book gestante não é o mais importante; 
– Informe-se sobre amamentação, veja outras mulheres amamentarem, assista a vídeos, leia, visite um banco de leite. Amamentar não é fácil e exige muito da gente. Você vai ouvir muito falar da “pega correta”, e vai se sentir muito mal por não achá-la no início. Mas você e seu bebê irão aprender juntos! A “pega” não é uma coisa que aprendemos e estacionamos nela, às vezes vai pegar errado de novo e de novo. Seu peito vai doer e sangrar nos 15 primeiros dias mas depois melhora, e aí começa o prazer da amamentação, então, não desista;
– O primeiro mês é punk, o puerpério é muito difícil! São os hormônios e sua nova vida. Você vai ter a sensação de que nunca mais será a mesma e talvez não seja mesmo, e isso é ótimo. Nessa fase somos isoladas do mundo, sim, o bebê realmente é bem vulnerável e precisa desse isolamento, mas a única forma de passar pelo puerpério com mais tranquilidade será ouvindo as mulheres que já passaram por isso;
– Suma com o leite de vaca da sua vida, se não conseguir sumir pra sempre, suma ao menos no primeiro mês. Eu antes de ser mãe, jamais me vi tomando leite vegetal, agora tomo leite de arroz, de aveia, de inhame;
– Seu bebê vai mamar o dia todo. Sim, deixa! Esse é o segredo da amamentação, quanto mais ele mama mais você tem leite. Esqueça o relógio e faz cara de paisagem pros pitacos de que seu leite não tá sustentando por isso ele chora ou de que ele faz seu peito de chupeta. Apenas deixe ele mamar. Pensa na cadela que da cria, ela fica com os seus filhotes pendurados o dia todo, só levanta pra beber um pouco de água e comer. Se assuma como mamífera, volte a sua ancestralidade. Se entrega, é por pouco tempo. Ele vai começar a aumentar os intervalos das mamadas sozinho, no tempo dele. Pense que ele não mama só porque sente fome mas porque ele quer estar perto de você, sentir seu aconchego, seu cheiro, seu calor. Acredite, isso é muito importante pra ele;
– Seu bebê vai chorar inconsolavelmente, você vai chorar junto por não saber o que fazer, mas aos poucos vai saber acalma-lo só com sua voz;
– Seu bebê não vai dormir, ele vai acordar durante toda a madrugada, você vai ficar exausta e mal humorada, mas vai melhorando e você acostumando. Não se culpe pela sua irritação, você não é de ferro;
– Esqueça as regras dessa sociedade esquisita, seu bebê pode dormir agarradinho com você na cama, aquele berço é só solidão pra ele. Também dê colo, muito colo, colo é amor. Mais uma vez tenta cagar pra opinião dos outros, seu bebê pede colo porque precisa, ele é muito pequeno pra te manipular fazendo ‘manha’ (definitivamente ele não sabe o que é isso);
– Hora de pesar o bebê, hora da ansiedade master. Mas olha, seu bebê não é igual ao da sua irmã ou da sua amiga, cada um se desenvolve de um jeito. O pediatra fofo pode receitar aquela fórmula de leite artificial, aliás, você já sai da maternidade com ela prescrita, o que é um grande desperdício pra amamentação. Deixa eu te contar um segredinho, esse médico participa de infinitos congressos com tudo pago pela doce Nestlé, por isso essa tara por bebês gordinhos. Troque de médico se for o caso. Lembre-se: seu leite não é fraco;
– O outro lado vai te cobrar um corpo perfeito logo após a gravidez. Sua barriga infla como um balão nos 9 meses e eles vão querer seu corpo de volta em 1 mês. Na boa, as pessoas não entendem que o que você está vivendo é muito mais profundo e lindo do que um corpinho nota dez na frente do espelho. Suas olheiras serão profundas, seu cabelo não será o mesmo e isso realmente não vai te importar tanto. Se você ouvir alguma palhaçada, mande a m* essa pessoa tão superficial
– Quando começar a sentir-se segura pra sair sozinha com seu bebê, saia! É difícil levar tudo, é difícil parar pra amamentar na rua, é difícil quando o bebê tem crise de choro e as pessoas te olham com ar de reprovação ou piedade, mas saia! O povo acha que lugar de mãe é em casa, bebês não são bem-vindos em qualquer lugar, o choro do bebê incomoda, crianças que correm incomodam, crianças cheias de energia também incomodam. Então, resista e saia. Lugar da mãe e do seu bebê é aonde ela quiser. Compre um sling e seja feliz!;
– E a mais importante: a prática destrói qualquer teoria. A teoria é linda e perfeita no papel. Faça o que seu coração mandar e não se crucifique tanto!
Enfim, não é fácil e ninguém conta a parte ruim quando estamos grávidas!
Somos infantilizadas demais durante a gravidez, como se aquele momento se reduzisse a enxoval e coisas fofas, não somos preparadas prara enfrentar a realidade.
Depois do primeiro mês, tudo vai ficando mais fácil. É só você pensar que maternidade é entrega e você só precisa amar, amar e amar!”


Encontrado em: lapisdenoiva

4 comentários:

  1. Olá Débora!

    Amei seu post,realmente a única coisa que devemos fazer é amar amar e amar.Pois são seres tão pequeninos que depende somente da gente e cada momento ao lado deles são únicos.
    Tenho três filhos e nenhum é como o outro,cada um tem o seu jeitinho especial de ser!Bjinhos

    http://casadreams.blospot.com

    ResponderExcluir
  2. O legal é saber que tudo passa tão rápido, que mesmo sabendo de tudo isso, depois que passa a gente até esquece!
    Um beijo amiga!

    www.mamaeaprendiz.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Débora belo post; sempre veemos mais o lado lúdico nas
    redes sociais...
    Enquanto não se resolve as indefinições por aqui continuaremos no sítio e a casa de madeira com seus posts kkk.
    Ah! que bebê lindo da imagem...
    Obrigada pela visita.

    ResponderExcluir
  4. Minha sempre querida comadre!
    É tão bom estar aqui novamente! Aliás, vir te visitar é garantia de se encontrar um super post. E vc impressa em cada linha.
    Se eu já te disse que adoro ler o que escreve, aqui estou eu repetindo. E sem me cansar.

    Me vi em cada situação dessas. Sabe, não foi fácil pra mim, pois, entre outras coisas, por ser "rapinha do tacho" não convivi com bebês, não tinha ideia do que era cuidar de uma criança. Mas dia a dia Deus ia me mostrando que eu seria capaz. Entendi que ser mãe é, de fato, uma missão. Das mais abençoadoras! E que se Ele nos designou esta missão é pq somos capazes de encará-la, vivê-la!
    Nada é maior e mais significante para uma mulher do que ser mãe!

    E como vai essa barriguinha aí, hein?
    Gostei da carinha clean do Diário. Ficou linda e leve!
    Deus abençoe e um bjão pra vc, amiga! <3

    ResponderExcluir

Sobre o que você gostaria de ler?