19 de abril de 2017

Introdução Alimentar na perspectiva do bebê


Hoje quem escreve este post é o Breno rsrs
De forma criativa quero tentar contar pra vocês como tem sido a alimentação do Breno desde a introdução alimentar, de forma que eu compartilhe o que a Organização Mundial da Saúde indica hoje em dia mas com aquela pitadinha de olhar como se fosse o próprio bebê. Espero que gostem. 
Oi titias e titios que nos acompanham. Vou contar para vocês como foi quando eu comecei a comer alimentos sólidos. 
Minha mamãe me deu exclusivamente um leitinho precioso até meus 6 meses. Ele não era igual nunca. Sempre tinha um sabor diferente a cada dia. Foi assim que eu comecei a desenvolver meu paladar. Eu não precisava de mais nada, nem de água, muito menos de chás pois isso faz mal para humanos tão pequenos como eu. Até que ela começou a me dar água. Era um pouco diferente do leite docinho que eu mamava e eu não sabia direito como fazia pra beber no copinho de treinamento e nem na colher. Eu fechava bem a boca ou então jogava tudo fora. Até que ela descobriu que eu gostava de beber no copo que ela também bebia a água. 
Ela também me trouxe umas coisas coloridas e super cheirosas que se chamam frutas para eu experimentar. Acho que eu me lembro quando ela comia e não dava pra mim. Mas eu não fico sentido porque meu mundo já estava completo com o colinho e o tetê disponível em livre demanda. 
A cada dia eu experimentava uma nova fruta. Levou umas duas semanas pra eu aprender a engolir bem aquela frutinha que ela me dava. Ela também me deu umas coisas que não eram tão docinhas. Um tal de chuchu, abóbora, batata... ahh tantas coisas coloridas... ela me deixava pegar com as mãos e assim eu aprendia e aprendo todos os dias muitas coisas sentindo tudo com meus dedinhos e colocando na boca sozinho. E quando ela tentava colocar essas coisas na minha boca usando uma colher eu achava muuito estranho. Mas logo eu percebi que ela e o papai usavam algo parecido quando eles comiam também. Até meu irmão mais velho usava. E quando a mamãe dava comidinha na boca dele eu queria que ela desse na minha também. Demorou mais umas duas semanas pra eu aprender a mastigar e engolir o que vinha da colher. 
Depois disso eu me interessava a experimentar de tudo. Eu até sentia vontade que chegasse logo a hora de comer as frutinhas e as comidinhas. 
Gosto da comidinha que a mamãe prepara e não daquelas que vem nos potinhos ou em sachê. Elas tem sempre o mesmos sabores e cor parecidas. As que a mamãe faz tem temperos naturais e sabores diferentes assim como era quando eu mamava só meu leitinho. Assim eu já vou aprendendo a mastigar e vou desenvolvendo meu corpo ao invés de só engolir comidinhas batidas e peneiradas, desse jeito eu não conseguiria conhecer as diferentes texturas e assim conforme eu for crescendo terei mais facilidade em aceitar diferentes tipos de alimentos.
Quando eu faço meu lanchinho a mamãe não me dá sucos. Eles tem muita frutose e ficam sem as fibras. Eu gosto das frutas in natura. Assim eu fico mais saciado e aproveito tudo que elas possuem. Quando sinto sede eu tomo água, agora eu já sei que esse é um hábito saudável, correto e delicioso. 

O melhor de tudo isso é que meu leitinho precioso ainda está disponível em livre demanda. Ele é meu principal alimento pois eu sou bebê e ainda estou aprendendo, então a comidinha é minha complementação por enquanto. Ela me disse que a gente pode ficar tranquilo porque isso é assim mesmo até que eu complete 1 aninho.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre o que você gostaria de ler?