23 de maio de 2017

Herpes ocular | Nícolas e o dodói do olho

Na foto Níc estava com os olhos bem vermelhos usando colírio para conjuntivite, ainda cheio de energia

Logo logo já vai fazer 1 ano em que passamos um susto aqui em casa com Nícolas.
Quando ele era bebê ele teve conjuntivite (olhos apenas vermelhos e lacrimejando um pouco) que foi tratada apenas com soro. No ano passado ele teve o mesmo sintoma. Levamos ao Pediatra e ela receitou um colírio.
Uma semana se passou. Os olhos dele permaneceram do mesmo jeito. O remédio acabou e eu estava arrumando outra consulta quando ele começou a chorar dizendo que os olhos estavam doendo. 
A pediatra indicou um oftalmo. Conseguimos uma consulta e lá o Dr. pode confirmar a suspeita de herpes nos olhos. Ele explicou que não era transmissível (Breno tinha recém nascido) e que era um vírus que todos tem no organismo, no caso do Nícolas ele se manifestou por baixa imunidade. E era isso mesmo, naquela época não me lembro o motivo (devia ser laringite) mas Níc tinha adoecido e não estava se alimentando direito.
Foi um desafio segurar aquele menino pequeno chorando, com dor, assustado para fazer as consultas. O mais difícil foi ver ele sofrer. Uma criança de 3 anos cheia de energia preferia passar horas e horas deitada no escuro com os olhos fechados. 
O médico alertou que essa doença se inicia assim mesmo, parecendo uma conjuntivite mas que provavelmente o Nícolas tivesse tido uma alteração na temperatura dias antes e que eu poderia tocar e sentir a íngua no pescoço. Como eu disse, Nícolas estava doente então nem associei ao fato. Também me avisou que por ter tido a doença uma vez não necessariamente ele voltaria a ter todas as vezes que a imunidade ficasse baixa. Ficou aqui a minha preocupação. Mas fica também o meu alerta pra vocês. Se não tivesse se passado tanto tempo sem tratamento correto meu filho não teria tido tanta dor. E tem coisas que a gente só aprende com a experiência. Nunca vi nenhuma mãe falar disso pra nos alertar pois quando se fala em herpes já vem logo o preconceito. Mas aqui estou eu novamente compartilhando com vocês uma experiência que tivemos e pode ser um alerta para alguém. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

palavra chave